GPS implantável e alimentado por calor corporal será testado em 2019

GPS implantável e alimentado por calor corporal será testado em 2019

Quem tem um parente ou amigo próximo que sofre com demência sempre se preocupa que um dia essa pessoa saia de casa e acabe se perdendo. Por isso, vários produtos para rastrear pessoas já foram criados nos Estados Unidos, como uma pulseira e um calçado que emitem sinais de rádio e que podem ser acessados pela polícia. A bateria desses equipamentos dura seis meses.

Mas a empresa Three Square Market (32M), do estado americano de Wisconsin, criou um implante com GPS para adultos vulneráveis que podem se perder e nunca mais conseguir voltar para casa.

O projeto foi anunciado no programa Closing Bell, do canal de TV americano CNBC, nesta semana. O CEO da empresa, Todd Westby, afirmou que a empresa está trabalhando em um chip ativado por voz que se carrega com o calor corporal e que monitora os sinais vitais de quem o usa e pode fazer o rastreamento por GPS.

A empresa quer lançar seu primeiro teste em 2019, e só então vai pedir aprovação do Food and Drug Administration (FDA), órgão que regula medicamentos, alimentos e equipamentos relacionados à saúde.

Sem sombra de dúvida há uma demanda crescente por equipamentos de rastreamento para pacientes com demência, já que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, atualmente há 47 milhões de pessoas que sofrem com demência, mas até 2030 espera-se que este número aumente para 75 milhões. O preocupante é que seis de cada dez pessoas com demência acabam se perdendo em algum momento, mesmo que seja por poucos minutos ou horas.

O implante de GPS da empresa, porém, pode ser menos eficiente que as pulseiras que emitem sinais de rádio, já que o GPS não funciona em todos os lugares ou dentro de prédios grandes.