Tie dye

Tie dye: saiba qual é a origem desta técnica

Trazer personalidade à roupa, passar o tempo e ainda estar na moda são algumas das principais características de um dos estilos que mais tem bombado nesta temporada: o tie dye.

O nome da técnica vem do inglês e significa “amarrar e tingir”, uma vez que o estilo consiste no tingimento de tecidos, criando efeitos divertidos e únicos a cada peça que é colorida.

Que tal conhecer um pouco mais sobre o estilo, colocá-lo em prática e sair por aí com um traje exclusivo, no melhor estilo “eu que fiz”?

História

Se formos olhar ao longo da história, o tie dye é bastante antigo e tem sido usado por diferentes civilizações há séculos, a fim de trazer cor para os trajes do dia a dia. No Japão, por exemplo, ele era conhecido como “shibori”, muito usado nos séculos VI e VII para colorir diferentes tecidos.

Leia também:

4 ideias de looks de arrasar
6 dicas para escolher o modelo de sutiã ideal

Foi a partir do final da década de 60, nos Estados Unidos, que a técnica começou a ganhar cada vez mais adeptos. Ela foi popularizada pelo movimento hippie, que costumava usar corantes naturais, como o chá mate, para fazer as estampas psicodélicas em batas, saias, vestidos, etc.

Tinta

Para criar o seu próprio tie dye, é preciso ter: uma peça de roupa preferencialmente de cor clara, tinta para tecido, corantes naturais (beterraba, chá mate, cebola, couve, etc) e/ou água sanitária.

Para quem pretende usar tintas naturais, é importante ter alguns fixadores de cor, como sal e pedra ume, para ajudar a manter a coloração nas fibras do tecido. Dessa forma, ela não sairá quando a roupa for lavada.

Passo a passo

Fazer o tie dye em casa é simples e divertido. Além das tintas e da peça que será tingida, é importante ter barbante de algodão, elástico ou alguma outra corda que possa amarrar a roupa.

Dá para criar diferentes efeitos, dependendo de como a roupa é torcida, amarrada e mergulhada no corante. Também é possível usar a criatividade e misturar mais de uma tonalidade, criando estampas multicoloridas.

A técnica pode ser aplicada em diferentes tipos de tecido, como jeans, algodão, linho, seda, etc. Nas peças mais escuras, para alcançar uma cor diferenciada, pode ser necessário usar a água sanitária para fazer as manchas.

Quem não quer amarrar a peça, ainda pode criar as estampas com o uso de um pincel, salpicando a cor pela roupa e fazendo a estampa desejada. Também é preciso ter paciência, uma vez que o item tingido precisa secar e descansar antes de ser lavado e utilizado.

Cores

Tem gente que fica em dúvida se as cores desejadas combinam entre si. Para ajudar nessa resposta, basta seguir a roda cromática abaixo e arrasar no mix de tonalidades.

  • Análoga: é a combinação de uma cor primária com as suas vizinhas diretas. Exemplos: vermelho com vermelho-violeta e laranja avermelhado, amarelo com amarelo esverdeado e amarelo alaranjado ou azul com azul esverdeado e azul arroxeado.
  • Monocromática: usa uma mesma cor em diferentes tonalidades, da mais clara para a mais escura, compondo um degradê. Pode ser usada com diferentes tonalidades do corante ou com o mesmo produto em diluições variadas.
  • Complementar: para esta harmonia, basta lançar mão de cores que estão diretamente opostas no círculo cromático. Geralmente, são composições de colorações que costumamos achar na natureza. Alguns exemplos: verde e vermelho; amarelo e roxo; azul e laranja.
  • Harmonia triádica: é o uso de três cores equidistantes no círculo cromático. Exemplos: azul, vermelho e amarelo (primárias) ou verde, roxo e laranja (secundárias).
  • Complemento dividido: combina uma cor com as duas vizinhas opostas. Exemplo: Azul com vermelho alaranjado e amarelo alaranjado.

Seguindo essas dicas, vai ser bem fácil escolher as cores do seu tie dye. As estampas vão ficar únicas e ainda mais bonitas!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *