O que leva as pessoas a acreditarem em conspirações?

Isabelle C.
9 min de leitura

Você já parou para pensar no que leva alguém a acreditar em teorias da conspiração? Pode parecer estranho a princípio, mas acredite, essa é uma questão relevante, digna de ser investigada. Então, o que nos faz aceitar teorias que, para muitos, podem parecer ilógicas ou até mesmo absurdas?

Vamos começar com uma simples constatação: todos nós temos uma certa propensão a acreditar em conspirações.

Sim, você ouviu direito. Quantas vezes você já acreditou em algo sem ter todas as evidências ou fatos na ponta dos dedos? Agora, questione-se: por quê?

As teorias da conspiração estão em todo lugar: na política, na ciência, até mesmo no mundo do entretenimento. Elas se tornaram tão onipresentes que nem sempre as percebemos. Mas o que faz essas teorias tão atraentes?

Em primeiro lugar, teorias da conspiração oferecem explicações simples para eventos complexos.

Estamos lidando com um mundo cada vez mais complicado e, às vezes, é tentador abraçar explicações simplistas que colocam a culpa em algum “outro” conveniente.

Por que as coisas estão indo mal? É a culpa dos políticos corruptos, das grandes corporações, das elites globais… a lista continua.

Mas e se parássemos para pensar um pouco mais? 

Será que estamos apenas transferindo a culpa para os outros porque é mais fácil do que enfrentar a complexidade da realidade?

Nós, humanos, gostamos de padrões e, por vezes, vemos padrões onde eles não existem. As teorias da conspiração, com seus enredos intricados e conexões ocultas, são um prato cheio para essa tendência.

Além disso, acreditar em conspirações pode nos fazer sentir especiais. Nos dá a sensação de estar por dentro de algo que a maioria das pessoas desconhece. Quem não gosta de se sentir especial, um passo à frente dos demais?

Outro aspecto importante é a comunidade. As teorias da conspiração criam comunidades de crentes.

Essas comunidades oferecem um senso de pertencimento e validação que pode ser difícil de encontrar em outros lugares. Você já se sentiu parte de um grupo porque compartilhava de uma crença comum?

No entanto, é essencial lembrar que acreditar em conspirações pode ter consequências perigosas.

As teorias da conspiração podem alimentar a desinformação, a intolerância e até mesmo a violência.

Será que estamos dispostos a pagar esse preço pela satisfação de ter respostas simples e pela sensação de pertencer a um grupo?

Convido você a refletir sobre essas perguntas. Por que você acredita no que acredita? Suas crenças são baseadas em fatos sólidos ou em suposições? Você está disposto a mudar de ideia se apresentado a novas evidências? 

Em última análise, compreender por que as pessoas acreditam em teorias da conspiração é uma maneira de compreendermos a nós mesmos.

E talvez, nesse processo, possamos aprender a ser um pouco mais críticos, um pouco mais abertos e um pouco mais compassivos.

Desenvolvendo um pensamento crítico em meio a teorias conspiratórias

Agora que estamos mais cientes do porquê as teorias da conspiração podem ser atraentes e por que às vezes optamos por acreditar nelas, o que podemos fazer para abordá-las de maneira mais crítica?

Como podemos nos proteger da desinformação e fortalecer nossa capacidade de pensamento crítico?

A primeira etapa pode ser simplesmente admitir que todos nós somos suscetíveis a acreditar em teorias da conspiração. 

É um traço humano natural procurar padrões, buscar explicações simplistas e desejar pertencer a uma comunidade. Reconhecer essas tendências em nós mesmos é o primeiro passo para mitigar seus efeitos.

Em seguida, devemos nos comprometer com uma abordagem baseada em evidências para entender o mundo.

Isso significa questionar constantemente nossas próprias crenças e estar dispostos a mudar de ideia na presença de novas evidências. 

Pergunte-se: De onde vem essa informação? Ela é corroborada por fontes confiáveis? Há consenso entre os especialistas sobre essa questão?

Além disso, é importante lembrar que é normal não ter todas as respostas. O mundo é complexo e muitas questões permanecem sem resposta.

É mais produtivo admitir a incerteza do que se apegar a teorias da conspiração que oferecem respostas falsas, porém, confortáveis – é o agnosticismo que vemos no listologia.

Por fim, devemos continuar a valorizar e promover a educação. O pensamento crítico é uma habilidade que pode ser aprendida e aprimorada.

A educação é a chave para equipar as pessoas com as ferramentas de que precisam para avaliar as informações que recebem e tomar decisões informadas.

Agora, quero ouvir de você: o que você acha que pode fazer para combater a desinformação e promover o pensamento crítico?

Como você aborda as teorias da conspiração em sua vida diária? E como podemos, como sociedade, nos proteger melhor contra a propagação de teorias da conspiração?

Essas são questões importantes para refletirmos, pois enfrentamos um mundo cada vez mais inundado por informações e, às vezes, por desinformações.

Entender por que acreditamos em teorias da conspiração é o primeiro passo para enfrentá-las. O próximo passo depende de nós.

A Psicologia Por Trás das Teorias da Conspiração

No momento em que desvendamos as forças que nos empurram para acreditar em teorias da conspiração e sugerimos caminhos para o pensamento crítico, faz sentido examinarmos a psicologia por trás das teorias da conspiração.

Por que nosso cérebro muitas vezes prefere acreditar em tramas complexas e ocultas em vez de explicações mais simples e diretas? A psicologia pode nos dar algumas respostas.

A teoria da “proporção de causalidade” sugere que, quando ocorrem eventos significativos ou catastróficos, tendemos a acreditar que eles devem ter causas igualmente significativas.

Assim, rejeitamos a noção de que eventos de grande escala possam ser o resultado de causas menores, aleatórias ou acidentais.

Além disso, a “viés de confirmação” desempenha um papel crucial. Tendemos a prestar atenção apenas às informações que confirmam nossas crenças existentes e ignorar aquelas que as contradizem.

Assim, uma vez que alguém acredita em uma teoria da conspiração, é provável que interprete novas informações de uma maneira que reforce essa crença.

Não podemos esquecer do “viés de proporcionalidade”, que é a tendência a acreditar que grandes eventos devem ter grandes causas.

Isso muitas vezes nos leva a rejeitar explicações simples ou mundanas para eventos significativos, preferindo em vez disso teorias mais elaboradas ou dramáticas.

Entender esses aspectos psicológicos pode nos ajudar a ver por que às vezes nos sentimos atraídos por teorias da conspiração.

Mais importante ainda, pode nos ajudar a desenvolver estratégias para resistir a essas atrações.

Podemos, por exemplo, aprender a reconhecer e questionar nossos próprios vieses. Podemos nos esforçar para manter uma mente aberta, disposta a mudar de opinião com base em novas informações.

Podemos cultivar a paciência e a humildade necessárias para aceitar que nem sempre teremos todas as respostas e que, às vezes, os eventos podem ser causados por forças aleatórias ou mundanas.

Então, o que você acha? Quais são alguns dos seus vieses e como eles podem influenciar suas crenças? Você acha que pode treinar seu cérebro para resistir às teorias da conspiração?

E como podemos usar a psicologia para nos ajudar a navegar em um mundo repleto de informações – e desinformações – conflitantes?

Estas são questões difíceis, mas necessárias. Como sempre, a chave é continuar questionando, continuar aprendendo e continuar lutando pela verdade.

No final das contas, essa é a melhor defesa que temos contra o labirinto sedutor, mas perigoso, das teorias da conspiração.

Compartilhe este artigo
Jornalista, redatora e copywrite. Gosto de escrever, publicar artigos sobre os diversos assuntos.
Deixe um comentário