A história marcante do autor Stephen King

Com quase 74 anos, Stephen King é um consagrado autor do gênero de terror, com obras adaptadas para o cinema, como It, a coisa. Ele já vendeu mais de 400 milhões de livros no mundo todo e foi convidado a colaborar no roteiro de séries de TV.

O escritor possui muitos livros de sucesso. Mesmo sendo considerados ruins, alguns são lidos com muito prazer pelos leitores. Quer saber mais sobre Stephen King e suas obras? Então, confira as curiosidades abaixo.

Nascimento e início no mundo da escrita

Stephen King nasceu em 1947, na cidade de Portland, no mês de setembro. Antes de escrever livros, publicou uma coluna semanal no jornal da escola, ainda na adolescência. Na faculdade, publicava histórias curtas nas revistas de Maine.

Seu primeiro livro, Carrie, foi escrito nas horas vagas, pois Stephen lecionava inglês na Hampden Academy. Foi no ano de 1973 que o romance finalmente foi aceito e publicado por uma editora. A partir deste ano, iniciava-se a carreira no mundo literário, com diversos outros títulos sendo trazidos ao público.

‘Carrie’ quase não chegou ao público

Quando começou a escrever Carrie, o autor não gostou do resultado, achou que a história não estava boa e a jogou no lixo. Sua esposa, Tabitha, encontrou esses esboços, leu e acreditou no potencial do livro. Assim, devolveu os papéis ao marido e o incentivou a continuar.

O sucesso da obra foi tanto que ela chegou a ser adaptada para o cinema duas vezes. Já pensou se Stephen King tivesse realmente desistido de Carrie? Nunca teríamos a oportunidade de conhecer esse terror sensacional.

Mudança de cidade inspirou ‘O Iluminado’

Após a morte de sua mãe, o autor precisou mudar de cidade, e essa situação aconteceu em um inverno bastante rigoroso. Antes de terem a própria casa, ele e a família hospedaram-se em um hotel pouco frequentado.

O ambiente foi motivo de inspiração para os cenários de O Iluminado, que também se passa em um hotel vazio e um inverno muito gelado. O livro foi publicado em 1977 e adaptado para os cinemas.

Adoção de um pseudônimo

Entre os anos de 1970 e 1980, o autor estava com a criatividade em alta e escreveu diversas histórias. Com medo que o nome de King cansasse os leitores, as editoras começaram a recusar seus originais. Foi aí que ele teve uma ideia: criar um pseudônimo.

Dessa forma, suas obras continuaram a ser publicadas com a autoria de Richard Bachman, até que um funcionário de uma livraria descobriu a verdadeira identidade do autor e revelou seu segredo.

Em vez de ficar revoltado com a situação, o escritor acabou ainda mais inspirado e criou a história de A Metade Negra, na qual um pseudônimo ganha vida própria.

Vício em álcool e cocaína

Após a morte da mãe, o autor teve muitos problemas com o álcool e as drogas. Em entrevistas, ele menciona não lembrar de momentos em que esteve escrevendo It, a coisa e Cujo. Em 1989, ele estava decidido a lidar com a situação. No ano seguinte, sua família interviu e o ajudou.

O escritor juntou-se aos Alcoólicos Anônimos, conseguindo parar de beber e usar cocaína. Quando ficou completamente limpo, deu início aos textos de Trocas Macabras.

Prêmios conquistados

Apesar de ter passado por momentos difíceis, Stephen King tem uma carreira de sucesso e já conquistou muitos prêmios, como o Bram Stoker Awards. Dentre outras premiações conquistadas, estão:

  • World Fantasy Award;
  • Prêmio Edgar;
  • Prêmio O. Henry;
  • Goodreads Choice Awards,
  • Prêmio August Derleth.

Há muitos outros prêmios recebidos pelo autor, mas foi somente após ganhar a Medalha Nacional das Artes (National Endowment for the Arts), que o autor ficou conhecido como rei do terror. Isso aconteceu em 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *